Entenda os possíveis riscos do zika vírus na gravidez

A epidemia de zika vírus tem sido uma preocupação para a saúde pública. A doença, cujos sintomas são muito semelhantes aos da dengue clássica, tem sido relacionada a casos de microcefalia em recém-nascidos e de Guillain-Barré em adultos.

Devido aos possíveis riscos do zika vírus na gravidez, muitas mulheres estão aflitas. Apesar de a correlação entre a doença e a microcefalia não estarem comprovados, os órgãos de saúde pública, como o Ministério da Saúde, estão em alerta para combater a epidemia.

Para que você se informe sobre o assunto, leia nosso post de hoje e conheça os possíveis riscos do zika vírus na gravidez.

Quais são os sintomas do zika?

Os sintomas podem ser bem semelhantes aos da dengue, como febre, dor de cabeça, muscular e nas articulações. O diagnóstico diferencial está nas manchas espalhadas pelo corpo, que causam intensa coceira, além de possível conjuntivite e aparecimento de gânglios.

Quais são os riscos do zika vírus na gravidez?

Apesar de não haver comprovação, os casos de microcefalia têm aumentado em regiões que tiveram algum surto de zika vírus. Essa condição neurológica gera déficits cognitivos e, até mesmo, a morte prematura do bebê.

Mas atenção! Nem toda grávida que contrair o zika vírus terá um bebê com microcefalia. Essa é uma complicação menos frequente. No entanto, o mecanismo de contaminação do feto ainda não foi devidamente compreendido pela comunidade científica, o que deixa muito mais perguntas do que respostas.

Para evitar o pânico, caso uma grávida esteja com coceira e manchas avermelhadas espalhadas pelo corpo, ela deverá procurar um médico o mais rápido possível. Esse profissional irá distinguir se se trata do zika vírus ou de outra doença.

Caso o diagnóstico do zika seja positivo, deve-se fazer o controle do desenvolvimento pré-natal do feto por meio de ultrassons, permitindo analisar o desenvolvimento da cabeça e do cérebro.

Se a microcefalia for constatada, a criança será examinada ao nascer para a indicação de terapias e tratamentos, assim como avaliação da extensão do dano provocado pela possível perda de massa encefálica.

O maior desafio dos pesquisadores é descobrir em qual fase da gravidez o zika se torna mais perigoso para o feto. A suposição é de que ele seria potencialmente danoso no primeiro trimestre, período em que a maioria dos órgãos e tecidos são formados.

Quais regiões correm mais risco de serem afetadas pelo zika?

O zika vírus foi confirmado em 18 Estados, entre eles Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, que concentram uma boa parte da população nacional. O Ministério da Saúde divulgou uma lista com 199 cidades que possuem mais risco de serem atingidas. Confira se a sua está entre elas.

Não deixe de contribuir para o combate a essa doença. Lutar contra o mosquito vetor dessa doença, o Aedes Aegypt, é a melhor forma de prevenção. Procure focos de água parada em sua residência e informe seus vizinhos e amigos sobre as precauções a serem tomadas. Todos devem estar juntos nessa luta!

Tem mais alguma dúvida a respeito do zika vírus na gravidez? Comente aqui no nosso post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *